Confira as notícias do Agronegócio no Paraná

Alta do petróleo abre oportunidades para novas fontes energéticas

Patrocinadores

Por Christopher Helman

 A pandemia e a guerra levaram o preços do petróleo a máximas históricas, mas intensificaram a busca por alternativas. Energia nuclear e até a queima de pellets de madeira estão sendo consideradas como substitutas ao petróleo.

 Era fevereiro de 2020, as restrições de viagem ainda não haviam atingido a Europa e os figurões do petróleo estavam reunidos em Londres para a Semana Internacional do Petróleo. Em um jantar apenas para convidados, o trader de commodities Pierre Andurand fez uma previsão surpreendente: à medida que o Covid-19 se espalhasse, os países ficariam bloqueados, os tanques de armazenamento encheriam e o preço do petróleo chegaria a zero.

 O matemático nascido na França e formado em Oxford havia estudado os primeiros relatórios médicos de Wuhan, na China, e tinha tanta certeza desse cenário que seus fundos de hedge, agora com US$ 1,7 bilhão (R$ 8,8 bilhões) sob gestão, assumiram grandes posições vendidas em futuros de petróleo bruto.

 Quando os preços caíram abaixo de zero em 20 de abril, os fundos da Andurand Capital acumularam ganhos que variaram de 60% a 155%.

 No início de fevereiro deste ano, o trader fez outra previsão que chamou atenção: o petróleo bruto chegaria a US$ 150 (R$ 750) o barril em 2022, à medida que a demanda pós-pandemia, impulsionada pelos enormes estímulos do banco central, colidisse com o declínio nos investimentos em combustíveis fósseis – e subinvestimento em alternativas. E isso foi antes de Vladimir Putin dar um soco no lado da oferta com sua invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro.

 Andurand, cujo maior fundo subiu mais 112% no ano até abril, agora espera que os preços do petróleo subam ainda mais, com a possibilidade de US$ 200 (R$ 1 mil) o barril – nos centros costeiros, o que se traduz em US$ 8 (R$ 41,6) por galão na bomba. “Putin decidiu invadir agora porque o mercado estava apertado”, diz.

 “A guerra acelerou o caminho para onde eu senti que estávamos indo: uma escassez. Vai piorar a partir daqui”, diz o bilionário John Goff, presidente da Crescent Energy. Ele vem recolhendo ativos de petróleo subvalorizados desde 2019. “O mundo está lamentavelmente subinvestido, as políticas de transição energética são ingênuas e a demanda ainda não atingiu o pico”, acrescenta. “Sou a favor da energia verde, mas precisamos de um plano real.”

 Soluções criativas

Os céticos podem apontar que no final de maio, três meses após a invasão de Putin, os futuros do petróleo ainda oscilavam em torno de US$ 110 (R$ 572) o barril. Mas isso ocorre apenas porque os rígidos bloqueios de Covid da China reduziram temporariamente a demanda, e os Estados Unidos estão liberando um milhão de barris diariamente de suas reservas estratégicas. Realisticamente, a única coisa que pode salvar o mundo do petróleo de US$ 200 (R$ 1 mil) o barril é uma recessão, o que dificilmente é uma boa notícia.

 Mas há outra maneira mais esperançosa de olhar para a crise energética global: ela pode levar aqueles com mais capital a acelerar soluções criativas e forçar os políticos a sair do caminho. Isso significa tudo, desde a aprovação de novos projetos de usinas nucleares até a construção de melhores baterias para armazenar e distribuir energia solar e eólica. Existe até um lugar para soluções rápidas, como queimar pellets de madeira em vez de carvão.

 Isso representaria uma reversão dos últimos anos, durante os quais o investimento em combustíveis fósseis desmoronou, a Alemanha e o Japão fecharam usinas nucleares e ativistas bloquearam centenas de parques eólicos apenas nos EUA.

  “Esta década será estruturalmente otimista para o mercado de energia. Há mais disciplina hoje, além de haver a tentativa de compensar sete anos de subinvestimento”, diz John Arnold, que se aposentou do comércio ativo de energia há uma década com apenas 38 anos. Nos últimos anos, o filantropo bilionário investiu dinheiro em fazendas solares, fusão nuclear, plataformas de produção de petróleo em águas profundas e muito mais.

 Ele está particularmente interessado em ver uma reescrita regulatória que facilite a aprovação de redes de energia que ligam áreas urbanas a locais rurais onde a energia eólica e solar é gerada. “Se realmente sentimos que a mudança climática é uma ameaça existencial para a sociedade, então precisamos agir como tal. Você não pode dar a todos um veto em todos os projetos.”

 Reabastecendo a Europa

O desafio imediato para o Ocidente: substituir o gás natural russo, que abastece grande parte da Europa, para que as fábricas possam continuar funcionando e as casas possam se manter aquecidas no próximo inverno. Até o final deste ano, o continente espera substituir dois terços de suas importações russas.

 Metade disso virá de novas importações de gás natural liquefeito (GNL), contra apenas 20% de fontes renováveis. Para produzir GNL, o gás é resfriado a -162 ºC transformando-o em um líquido que pode ser transportado pelo oceano em navios-tanque gigantes. Os europeus estão se preparando para receber GNL em instalações flutuantes de regaseificação.

 Encontrar GNL suficiente para comprar (e navios-tanque para enviá-lo) será difícil. “Não acho que exista um operador de GNL no mundo que não esteja produzindo todas as moléculas que puder”, diz Michael Smith, o bilionário presidente, CEO e proprietário de 63% do Freeport LNG, um complexo de liquefação do Texas que é o segundo maior dos EUA. Ele vendeu a maior parte de sua produção para a Ásia sob contratos de longo prazo, embora grande parte desse GNL esteja sendo revendido para a Europa. Não é o suficiente.

  Em março, o presidente Joe Biden e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciaram um acordo para os EUA enviarem mais 525 bilhões de pés cúbicos de GNL para a Europa este ano e ainda mais no futuro.

 Os EUA podem exportar mais GNL, mas levará tempo e novo capital. O país deixou de ser o maior importador de combustíveis fósseis do mundo em 2005 para um exportador líquido graças à rápida adoção de técnicas de perfuração horizontal e fraturamento hidráulico (também conhecido como fracking). Em 2015, os frackers dos EUA estavam perfurando tanto petróleo e gás que os preços da energia despencaram.

 Alguns jogadores faliram, enquanto os sobreviventes sofreram intensa pressão de investidores para começar a pagar dívidas e de ativistas ambientais para limpar seu ato. Nos últimos cinco anos, de acordo com a Wood Mackenzie, o investimento dos EUA em combustíveis fósseis foi de apenas US$ 400 bilhões (R$ 2 trilhões) por ano, abaixo dos US$ 750 bilhões (R$ 3,6 trilhões) durante o auge do fracking.

 A Europa também tem formações de xisto, mas nunca se juntou ao partido do fracking. Nesse continente, os governos, e não os proprietários privados, geralmente detêm os direitos minerais. Os políticos não tinham incentivo para combater o sentimento anti-fracking quando podiam simplesmente comprar gás russo. Agora isso não é mais uma opção.

 O bilionário Wesley Edens é um recém-chegado ao GNL que traz capital para o jogo. Coproprietário do Milwaukee Bucks, da NBA, Edens fez sua primeira fortuna como cofundador do Fortress Investment Group, uma loja de private equity que ele vendeu para o SoftBank em 2017. Agora ele é CEO da New Fortress Energy, de capital aberto, que está desenvolvendo o que chama de “LNG rápido”.

  As unidades modulares de liquefação de gás natural são construídas em um estaleiro e instaladas em plataformas de petróleo offshore reaproveitadas. “Estamos tentando buscar o modelo de fábrica do Modelo T para GNL”, diz Edens, cuja participação de 35% na New Fortress vale mais de US$ 3 bilhões (R$ 15,6 bilhões).

 Ele planeja instalar a primeira planta Fast LNG a 25 km da costa de Grand Isle, Louisiana, e diz que trabalhar tão longe da costa deve tornar as aprovações mais rápidas. Se a Casa Branca cumprir sua política de simplificar as licenças, ele poderá enviar suas primeiras cargas no início do próximo ano. Os lucros estão lá – os europeus estão pagando US$ 22 (R$ 114,4) por mil pés cúbicos pelo gás natural, duas vezes e meia o preço dos EUA. “A única mercadoria que você não pode comprar é o tempo”, diz Edens.

 Muito tempo já foi perdido. Em 2015, o investidor ativista bilionário Carl Icahn forçou o pioneiro do GNL Charif Souki a deixar o cargo de CEO da Cheniere Energy, uma empresa que Souki lançou em 1996. Seu pecado? Em vez de pagar dividendos maiores a acionistas como Icahn, Souki, que estava convencido de que a escassez estava chegando, queria construir outro complexo caro de GNL.

 Sete anos depois, a nova empresa de Souki, a Tellurian Energy, finalmente iniciou a construção da primeira fase de US$ 12 bilhões (R$ 62,4 bilhões) de um projeto semelhante na costa da Louisiana ao sul de Lake Charles. O mais cedo que ele pode começar a distribuir GNL: 2026.

  Presumivelmente, até lá, mais gás natural estará disponível para liquefazer. A produção está voltando. Em meados de maio, havia 750 plataformas de perfuração operando nos EUA, acima das 453 de um ano atrás, mas ainda dois terços abaixo das 2 mil em operação durante o boom do fracking. Os perfuradores são limitados pela falta de equipes de fraturamento qualificadas, escassez de plataformas e areia de perfuração e um excesso de dívidas.

 “A aceleração leva seis meses”, diz o bilionário do petróleo Harold Hamm, 76 anos, cuja família possui 80% da Continental Resources, um dos maiores frackers do país. Com os custos de perfuração subindo 15% ao ano, ele está mais interessado em usar o aumento do preço do petróleo e do gás para pagar dívidas. Ele tem o tempo do seu lado.

 Os 3 milhões de barris por dia (bpd) do desaparecimento da produção russa não serão substituídos rapidamente. A Bernstein Research estima que a Opep tenha apenas 1,5 milhão de bpd de capacidade extra agora. A Saudi Aramco planeja adicionar outro milhão – em 2027. Independentemente do momento, a história sugere que o Ocidente seria tolo de se tornar ainda mais dependente de um regime autocrático.

 Nuclear já é realidade

“Ninguém acredita até que finalmente aconteça”, diz Ajay Royan, sócio-gerente da Mithril Capital, que investe o dinheiro do capitalista de risco bilionário Peter Thiel. Em 2014, a Mithril investiu cerca de US$ 1 milhão (R$ 5,2 milhões) na Helion Energy, com sede em Everett, Washington, uma das poucas empresas que agora se aproximam do sonho de gerar energia por meio da fusão nuclear.

 Esse é o processo de juntar átomos de hidrogênio em hélio – é o que acontece no núcleo do sol. A Helion conta com o cofundador do Facebook Dustin Moskowitz e o cofundador do LinkedIn Reid Hoffman entre seus investidores, e recentemente levantou US$ 500 milhões (R$ 2,6 bilhões) em uma avaliação de US$ 3 bilhões (R$ 15,6 bilhões).

 Também na corrida pela fusão está a Commonwealth Fusion Systems, com sede em Cambridge, Massachusetts. Ela levantou US$ 1,8 bilhão (R$ 9,3 bilhões) de outra multidão de bilionários, incluindo Bill Gates, Laurene Powell Jobs, John Doerr, George Soros e John Arnold. Os CEOs da Helion e da Commonwealth prevêem que a fusão nuclear produzirá energia comercial dentro de uma década.

 Junto com esses esforços, os bilionários também estão investindo dinheiro em projetos mais novos e mais seguros para reatores de fissão nuclear, à medida que um renascimento nuclear parece cada vez mais provável.

 Isso é significativo porque, apesar de toda a atenção dada às alternativas, os combustíveis fósseis – gás, petróleo e carvão – ainda representam 80% de toda a energia usada no mundo, não muito menos do que duas décadas atrás.

 Uma razão é que a energia nuclear como parte da energia mundial não apenas parou de crescer, mas na verdade encolheu – de 7% para 5% – durante esse período. Após o desastre de 2011 na usina nuclear de Fukushima, o Japão e a Alemanha desativaram os seus reatores nucleares, compensando o crescimento nuclear na China. Nos EUA, as novas usinas nucleares estão em grande parte paralisadas desde o acidente de Three Mile Island em 1979.

 Os ventos políticos estão mudando. A Califórnia está debatendo se deve salvar o reator Diablo Canyon, programado para descomissionamento em 2025, apesar de ainda ter décadas de vida útil. O Japão está lentamente trazendo alguns de seus reatores de volta à operação. A França, com a maior capacidade nuclear da Europa Ocidental, está se movendo para revigorar sua indústria – um quinto de seus 56 reatores estão atualmente offline.

 Gates é um apoiador da energia nuclear – ele a descreve como a única fonte de energia livre de carbono que pode funcionar em quase qualquer lugar 24 horas por dia. Em 2008, ele cofundou a TerraPower, que desenvolveu (em conjunto com a GE Hitachi Nuclear Energy) o Natrium – um reator que funciona como armazenamento de energia a longo prazo.

 Em 2018, em meio a crescentes tensões com a China, o governo dos EUA arruinou o plano da TerraPower de construir seu primeiro reator Natrium na China. Mas agora o Departamento de Energia concordou em fornecer até US $ 2 bilhões – aproximadamente metade do custo – para construir o primeiro reator Natrium em escala comercial em Wyoming, no local de um gerador a carvão aposentado de propriedade de uma subsidiária da Berkshire Hathaway de Warren Buffett.

 Outros compartilham o entusiasmo de Gates. Em 2018, a Brookfield Business Partners, administrada pelo bilionário canadense Bruce Flatt, pagou US$ 4,6 bilhões (R$ 23,9 bilhões) pelas operações nucleares mundiais da Toshiba, incluindo a então falida Westinghouse Electric Company. A Westinghouse está concluindo dois novos reatores AP1000 para a Southern Co., com sede em Atlanta, na Geórgia, e tem quatro pedidos da China (já construiu quatro lá), além de um acordo de seis reatores na Polônia.

 O AP1000 é um reator de água pressurizada, semelhante aos quase cem reatores atualmente em operação nos Estados Unidos, mas é considerado mais seguro por ter um design mais simples e sistemas à prova de falhas. Ele depende da gravidade e da água (não de reservas de energia elétrica) para conter e resfriar um colapso, o que deve facilitar a venda para políticos e eleitores nervosos.

 Sol, vento e lenha

Não é apenas a fusão nuclear que requer paciência e bolsos grandes. “Você não pode simplesmente ligar um interruptor e acionar as energias renováveis”, diz Phil Anschutz. Ele passou 16 anos obtendo todas as licenças e servidões para construir 700 turbinas eólicas em 40,4 mil hectares em Wyoming, além de uma linha de alta tensão para levar a energia para Las Vegas.

 Ele precisou de uma permissão para matar algumas águias douradas e uma servidão para atravessar um habitat de galos silvestres, mas finalmente começou a construção.

 A geração eólica cresceu 12% e a solar 21% em todo o mundo no ano passado. Isso não é rápido o suficiente. Mas há alguns desenvolvimentos promissores, incluindo avanços na tecnologia de baterias para armazenar energia solar e eólica gerada de forma intermitente. No entanto, os fabricantes de baterias enfrentam escassez global de cobre, níquel e lítio.

 Charles Koch, cuja Koch Industries é uma grande refinaria de petróleo, dificilmente é conhecido como ambientalista. Mas para que a energia limpa tenha uma chance, o pragmatismo e o lucro devem prevalecer. Koch, a 21ª pessoa mais rica do mundo, investiu US$ 1,7 bilhão (R$ 7,2 bilhões) desde o início de 2021 em soluções de energia solar e bateria (incluindo reciclagem de baterias, uso de ferro em vez de cobalto e impressão de baterias 3D) que eliminam a necessidade de materiais exóticos e podem ser escalados.

 Quando se trata de alternativas, “o perfeito é inimigo do bom”, diz Jeffrey Ubben. Em 2020, aos 58 anos, Ubben se aposentou do ValueAct, o fundo de hedge ativista de US$ 12,5 bilhões (R$ 65 bilhões) que ele dirigiu por 20 anos, para gerenciar US$ 3 bilhões (R$ 15,6 bilhões) em ativos da Inclusive Capital Partners. Ele faz parte do conselho da Exxon Mobil, onde está promovendo iniciativas de sequestro de carbono, e da Enviva, a maior empresa de pellets de madeira do mundo.

 Suas dez fábricas em seis estados pegam árvores e sucatas de operações florestais sustentáveis e as prensam em 6 milhões de toneladas por ano de pellets que são enviados para clientes no Reino Unido e no Japão, que as queimam em usinas de energia em vez de carvão. “O Sudeste dos EUA é a Arábia Saudita da madeira”, brinca Ubben.

 O CEO da Enviva, John Keppler, diz que pode dobrar a produção até 2027. Os ambientalistas têm dúvidas, mas Ubben vê isso como uma solução inteligente de curto prazo. “Não acho que os pellets de madeira sejam o fim do jogo”, diz ele.

 Há outra “correção” natural de curto prazo: à medida que a energia russa desaparece do mercado, os preços vão subir até que a economia global desacelere o suficiente para reduzir a demanda. Com o tempo, o problema será resolvido, mas não sem dor de curto prazo e investimentos maciços – especialmente em combustíveis não fósseis.

 A Agência Internacional de Energia calcula que o mundo precisa dobrar seus gastos atuais em energia alternativa e investir um total de US$ 12 trilhões (R$ 62,4 trilhões) até 2030 para ter alguma chance de manter o aquecimento global em 2ºC.

 Ainda assim, há espaço para otimismo, se apoiarmos todas as abordagens e não deixarmos que a regulamentação excessiva do governo e os opositores do NIMBY fiquem no caminho, diz John Arnold. A longo prazo, “a sociedade fez um ótimo trabalho ao fornecer energia cada vez mais barata”, diz ele (Forbes, 25/6/22)

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on telegram
Share on tumblr

Artigos Relacionados

gdpr-image
Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao usar este site você concorda com nossos Política de Proteção de Dados.

Central de Atendimento

Contato: André Bacarin

    Acesse o mapa para ver nossa localização