Notícias

Voltar

Boeing investirá US$ 1 mi para desenvolver biocombustíveis de aviação

24.06.2019

Intenção é trabalhar em parceria com comunidades de pequenos agricultores que forneçam matéria-prima para a companhia.

A fabricante de aviões Boeing anunciou nesta semana um investimento de US$ 1 milhão para desenvolver biocombustíveis de aviação no Brasil. Em nota, a companhia informou que a intenção é trabalhar em conjunto com comunidades envolvidas na produção de matérias-primas que podem ser utilizadas na fabricação de combustíveis considerados mais limpos. Em 2018, a empresa já havia feito outro investimento no setor com o mesmo valor “O Brasil é uma força na produção de biocombustíveis e essa liderança pode se traduzir em benefícios para pequenos agricultores e comunidades que mantêm essa cadeia de fornecimento de múltiplas matérias-primas para a produção de biocombustíveis de aviação no país”, diz, no comunicado, Marc Allen, vice presidente sênior da Boeing e presidente da parceria entre a empresa e a brasileira Embraer. No comunicado, a Boeing informa que pretende trabalhar em conjunto com o Fundo Mundial pela Natureza (WWF) e com a Mesa Redonda dos Biomateriais Sustentáveis (RSB, na sigla em inglês), a quem chama de parceiros de longo prazo. Em conjunto, a empresa e as instituições irão identificar comunidades de pequenos agricultores brasileiros com capacidade de produzir biomassa a para combustíveis sustentáveis de aviação (SAF, na sigla em inglês).
“Os produtores serão certificados com base em indicadores de sustentabilidade que consideram benefícios sociais como geração de renda, boas práticas trabalhistas e segurança alimentar”, explica Boeing, no comunicado, acrescentando que pequenos produtores de cana-de-açúcar e macaúba já foram certificados anteriormente com apoio da empresa. Nos últimos dez anos, a empresa investiu mais de US$ 2 milhões em apoio a projetos comunitários no Brasil. O comunicado da empresa informa ainda a intenção de anunciar nas próximas semanas novos investimentos em educação voltada para a ciência, tecnologia e engenharia no país.



Fonte: Globo Rural