Notícias

Voltar

Etanol de milho já reforça a oferta na entressafra

28.02.2018

Enquanto o Centro-Sul passa por sua entressafra de cana, a oferta de etanol está sendo reforçada pelas importações e pela produção de etanol a partir do milho. Desde 1º de janeiro até metade de fevereiro, a produção de etanol de milho somou 107,5 milhões de litros - equivalente a 60% da produção total do Centro-Sul, que foi de 179,7 milhões de litros, de acordo com dados da União das Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

Boa parte dessa produção vem da usina da FS Bioenergia, que começou a operar em julho do ano passado em Lucas do Rio Verde (MT). Segundo Rafael Abud, diretor financeiro da companhia, a FS Bioenergia tem produzido em torno de 20 milhões de litros de etanol por mês e, em janeiro, chegou a vender um volume aproveitando seus estoques, já que os preços estavam vantajosos.

Essa ocupação de espaço pelo etanol de milho, porém, tem fôlego curto, dado que em março algumas usinas de cana do Centro-Sul já voltarão a operar.

A oferta de etanol de milho neste primeiro trimestre deve ficar entre 180 milhões de litros e 200 milhões de litros, de acordo com Martinho Ono, diretor da SCA Trading. O volume, segundo ele, está dentro do previsto pelo mercado e é "bem-vindo".

As importações de etanol também estão reforçando a oferta, embora estejam dentro do esperado pelo mercado. Em janeiro, foram importados cerca de 165 milhões de litros, e Ono estima que o volume de etanol adquirido do exterior de janeiro a março fique em torno de 600 milhões de litros. Esse montante supera a cota isenta do imposto de importação de 20%. Contudo, mesmo com a tarifa, a importação tem sido vantajosa.

Além de atenderem o Nordeste, as importações também estão chegando ao Centro-Sul, onde a demanda está bastante aquecida.

A entrada de etanol de milho do Centro-Oeste e do importado, porém, não tem impactado os preços, segundo Ono. Desde o início do ano, o índice Cepea/Esalq para o etanol hidratado pago às usinas de São Paulo está em torno de R$ 1,85 o litro. Para o diretor da SCA Trading, a pressão vem do elevado volume de etanol que as usinas guardaram em estoques desde que terminaram a moagem desta safra.