Notícias

Voltar

É hora de controlar o Sphenophorus levis

18.09.2017

Em áreas com mais de 30% de infestação, a orientação é destruir as soqueiras e renovar o canavial

O período mais seco do ano é considerado o ideal para realizar as práticas para controle do Sphenophorus levis, uma das principais pragas que atacam os canaviais da região Centro-Sul, principalmente em São Paulo, provocando perdas de aproximadamente 30 toneladas de cana-de-açúcar por hectare ou a renovação precoce do canavial, em muitos casos, no segundo corte.

A praga é de difícil controle e o pesquisador Newton Macedo aconselha que, áreas com mais de 30% de tocos atacados pela praga devem ir para a reforma imediatamente, para diminuir a pressão da população. Para isso, será necessário eliminar a soqueira, através de uma aração nas linhas de plantio, procurando revolver os restos culturais e expor as larvas à ação dos raios solares e inimigos naturais.

O certo é triturar a soqueira utilizando o eliminador de soqueiras. Já há usinas que passaram a utilizar esse equipamento rotineiramente não só para o controle de Sphenophorus, mas também para nematoides. A época correta para renovar as áreas é de junho a setembro, período em que as larvas estão devorando a cana.

O uso do eliminador de soqueira é cada vez maior pelo setor. “As vendas desse implemento estão aquecidas”, diz Auro Pardinho, gerente de marketing da DMB Máquinas e Implementos Agrícolas, localizada em Sertãozinho, SP, empresa com 53 anos no mercado e que oferece uma linha de produtos 100% voltada ao setor canavieiro.

Pardinho explica que esse implemento foi desenvolvido com o objetivo de se eliminar simultaneamente duas linhas de soqueiras de cana quando há necessidade de se reformar o canavial.

Passo a passo

1. No caso de canaviais próximos da reforma, ou com infestações superiores a 30%, faz-se a destruição mecânica das soqueiras no período de pico de larvas (junho a setembro), não fazendo em dias de chuvas ou solo muito úmido. Tanto o eliminador como a grade deve trabalhar levantando poeira;

2. Passar o eliminador em faixas alternadas, com retorno em 15 dias para o bom secamento do material vegetal e a ação de predadores (principalmente carcarás). Depois da total eliminação, passar uma grade, ainda no período seco;

3 - Na destruição por grade, executar no mínimo três passadas (1ª. grade de 34 ̈; 2ª e 3ª de 28 ̈) cruzadas, espaçadas em uma semana entre elas, para secamento do material vegetal e do solo, causando a mortalidade das formas biológicas por exposição ao sol e pelos predadores;

4. Ambos os equipamentos (eliminador e grades) são eficientes na eliminação das formas jovens (ovos, larvas e pupas), mas não eliminam a maioria dos adultos;

5. Rotação de culturas (amendoim e soja) reduz a população de Sphenophorus, mas áreas com altas infestações, que não terão rotação de cultura, devem receber uma aplicação de inseticida incorporado em área total na 3ª gradagem. Usar glifosato antes da destruição;

6. Cerca de duas a três semanas após, complementa-se essa operação com enxada rotativa para triturar e acelerar a seca do material;

7. Duas semanas depois, faz-se o preparo normal do solo;

8. Após a área limpa, realiza-se o plantio com mudas sadias.